Tucanos unificam discurso e fecham com pré-candidatura de Paulo Bauer

POLÍTICA – O PSDB catarinense fez um gesto claro para deixar de ser a incógnita da eleição estadual. Reuniu a maior parte de suas principais lideranças em Florianópolis e formalizou a pré-candidatura do senador Paulo Bauer a governador. Assim, busca espantar os rumores – e as impressões – de que o partido acabaria encorpando outra chapa nas eleições de outubro.

A construção desse gesto foi possível graças a uma uniformização do discurso tucano. Bauer sempre foi apontado como o possível aglutinador de uma ampla aliança – possivelmente trazendo o PSD e PP – e dava sinais de que não se sentiria confortável em concorrer sem essa condição. De outro lado, o presidente estadual do partido, Marcos Vieira, advogava a candidatura própria em qualquer condição, mesmo que fosse chapa pura. Nesse meio tempo, a figura do agora ex-prefeito blumenauense Napoleão Bernardes surgia forte, ora como vice em uma composição, ora como renovação para liderar o projeto tucano. Ontem, os tucanos acertaram os ponteiros para garantir que estarão unidos.

Bauer assumiu o discurso da candidatura em qualquer hipótese. Marcos Vieira deu o respaldo partidário. Napoleão colocou-se como postulante à majoritária, aguardando seu lugar na fila como pré-candidato ao Senado. De São Paulo, o presidenciável Geraldo Alckmin enviou mensagem em vídeo celebrando a pré-candidatura do senador tucano – uma forma de refutar as versões de que poderia forçar uma aliança que robustecesse seu palanque catarinense.

Na conversa com os jornalistas após o evento, Bauer respondeu sobre a investigação autorizada pelo Supremo Tribunal Federal sobre supostos R$ 11,5 milhões em caixa 2 da empresa Hypermarcas na campanha de 2014. Disse que seria a última vez que responderia sobre o assunto – a partir de agora, apenas os advogados – e que não tem medo de ser investigado. A delação do ex-executivo Nélson José de Mello tem potencial para ser o calcanhar de Aquiles do tucano, mas ele demonstra estar disposto a enfrentar a questão.

Na quarta-feira, o governador Eduardo Pinho Moreira (PMDB) voltou a dizer que a aliança com o PSDB seria o desejo maior dos peemedebistas, mas deu sinais de que não está confiante na costura. Os partidos não abrem mão da cabeça-de-chapa – e esse discurso deve durar até as últimas semanas de julho, pelo menos. Moreira confidenciou um encontro recente com Alckmin em que tratou do assunto e que parece não ter sido muito encorajador. Sem a aliança com os tucanos, ganha fôlego a pré-candidatura de Mauro Mariani pelo lado do PMDB.

Se todos mantiverem suas posições, a eleição catarinense se encaminha para fragmentação do atual campo governista. Não se preocupe, (e)leitor. Eles se reagrupam em janeiro de 2019.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.