Sucessão estadual muda com a prisão de João Rodrigues

POLÍTICA – Tema político de maior repercussão em Santa Catarina e ampla cobertura da imprensa nacional, a condenação e prisão do deputado federal João Rodrigues (PSD) provocou mudanças no cenário da sucessão estadual. Entre as principais se destacam:

1 – A pré-candidatura de João Rodrigues ao governo pelo PSD implodiu. Seu nome avançava na disputa da majoritária dentro da estratégia do articulador Júlio Garcia de selar uma aliança com o PMDB. O parlamentar era tido como nome ideal, mais popular, mais forte e com discurso mais contundente.

2 – O Oeste tem reduzida sua representação na chapa majoritária, com candidato a governador ou como vice.

3 – Nos bastidores, desde que o falecido senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) passou a ser cogitado como nome de consenso da tríplice aliança para retornar em 2018, o vice já estava definido. Seria do Oeste e a escolha recaia sobre o ex-secretário Antônio Gavazzoni, seu segundo suplente e considerado revelação política e administrativa.

4 –  Com a citação de Gavazzoni na delação da Odebrecht, Gavazzoni tomou outro rumo e desistiu da politica. O segundo da região, João Rodrigues, acaba de ser detonado pela Justiça Federal.

5 – Fica o deputado Gelson Merisio, que não se pronunciou sobre os últimos acontecimentos, recolheu-se em respeito ao correligionário, mas em breve deve retomar os contatos com outros partidos e com outras regiões. Já repetiu a várias lideranças: “Serei candidato a governador na convenção estadual do PSD dia 5 de agosto”.

6 – O governador Raimundo Colombo, que torcia por Rodrigues, emudeceu. Seu grupo acha que Merisio pode sair enfraquecido, abrindo caminho para seu sonho de aliança do PSD com o PMDB. A convenção poderá, assim, ter cabo-de-guerra entre Colombo e Merisio.

Para completar: é inimaginável na geopolítica da eleição deste ano uma chapa majoritária que não contemple um nome do Oeste catarinense.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.