Raquel diz que R$ 2 mi a Aécio não são ‘filantropia’ de Joesley

POLÍTICA – Ao reiterar pedido para que ponha o senador Aécio Neves no banco dos réus pelos R$ 2 milhões da JBS, a procuradora-geral da República contestou com veemência as alegações da defesa do tucano sobre os motivos que o levaram a indicar seu primo Frederico Pacheco a buscar uma mala recheada de dinheiro com o delator Ricardo Saud. Para a chefe do Ministério Público Federal, a versão de que a transação era apenas um empréstimo desafia a ‘lógica’.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, voltou a pedir que o Supremo Tribunal Federal (STF) receba integralmente a denúncia contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e outras três pessoas. O posicionamento da Procuradoria-Geral da República (PGR) consta em um memorial enviado aos ministros da Corte nesta segunda-feira.

+ ‘Difícil de engolir essa’, diz Janot sobre parecer que tirou Alckmin da Lava Jato

Para Raquel, ‘desafia a lógica e o bom senso e qualquer noção de normalidade imaginar que Joesley Batista concederia empréstimo de 2 milhões de reais a Aécio Neves sem documentá-lo de alguma forma”.

“Daí se conclui que, na prática, tal empréstimo consistiu em entrega de vantagem indevida – a qual, como narra a denúncia, ocorreu com a expectativa de que o Senador, no futuro, “conseguisse cargos públicos” para indicados por Joesley Batista. Tal entrega, portanto, não resultou de filantropia de Joesley”, anotou.

A primeira Turma do Supremo, composta pelos ministros Alexandre de Moraes, Marco Aurélio Mello, Luiz Fux, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso, julga nesta terça-feira se recebe a denúncia oferecida pela PGR contra o senador pelos supostos crimes de corrupção passiva e obstrução de Justiça, instaurado em maio de 2017, com base na delação da JBS.

O relator do inquérito é Marco Aurélio Mello e a defesa do senador tem a expectativa de que a denúncia seja rejeitada pela Corte. Aécio aparece em uma gravação em que pede R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, um dos donos da J&F, que administra a JBS, sob a justificativa de que precisava pagar despesas com sua defesa na Lava Jato. Além do senador, foram denunciados

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.