A notícia além do olhar técnico!

Programa Nascer da Fapesc incentiva avanço da inovação no interior do Estado

Por Judson Lima

SANTA CATARINA – É fácil ver Santa Catarina como uma potência turística, com suas belas praias, as serras de tirar o fôlego e os charmosos cenários rurais. Mas o estado também tem se destacado na área de inovação e tecnologia, com avanço em todas as regiões catarinenses. É o que mostra o resultado da segunda edição do Programa Nascer de pré-incubação de ideias, realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) junto com o Sebrae/SC.

Para além das grandes cidades, o segmento cresce rapidamente nos pequenos e médios municípios. Nas mesma velocidade aumentam ainda os incentivos com os Centros de Inovação do Governo do Estado e o Programa Nascer, que têm estimulado negócios inovadores e a abertura de empresas.

O número de projetos do Nascer, por exemplo, saltou de 150 para 164 entre a primeira e a segunda edição. No programa, cada equipe selecionada vai passar gratuitamente por pré-incubação, recebendo mentoria, workshops e palestras com profissionais renomados do mercado. São cinco meses de treinamento e, ao final, as propostas estarão prontas para receber investimentos.

Para o presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, o Programa Nascer é uma excelente oportunidade para o empreendedor receber capacitação, trocar experiências e conectar-se com o ambiente inovador em Santa Catarina. “A partir da articulação com os Centros de Inovação, buscamos a regionalização das ações pelo Estado, gerando conexões com os ambientes favoráveis ao desenvolvimento dos negócios, especialmente neste momento de retomada da economia tão devastada pela pandemia da Covid-19″, explica.

O superintendente do Sebrae/SC, Carlos Henrique Ramos Fonseca, destaca ainda que é necessário estimular a criação de novas empresas. “Empreender pode ser a alternativa para milhares de brasileiros enfrentarem esse momento de crise. Por meio dessa parceria, o Sebrae/SC vai garantir suporte aos empreendedores selecionados para que os seus negócios sigam o caminho do sucesso”, ressalta.

O resultado final da segunda edição já está disponível no site da Fapesc www.fapesc.sc.gov.br.

Um tour pela segunda edição do Programa Nascer

Em um tour por algumas soluções que serão desenvolvidas pelo Programa Nascer nos próximos cinco meses, a primeira parada é Joinville, no Norte do Estado. A cidade mais populosa de Santa Catarina tem uma importante demanda: como manter a saúde e o cuidado das pessoas durante a pandemia. Por isso, dois projetos se destacam: um de agenciamento desportivo e outro que usa o yoga como ferramenta para transformação na vida da população vulnerável.

Subindo a Serra Dona Francisca, chega-se a São Bento do Sul. A charmosa cidade do Planalto Norte teve sete projetos aprovados em diferentes áreas. As inovações vão desde o desenvolvimento de aplicativos para utilidades emergenciais até superapps para mulheres, além de sistema para controle financeiro.

Quem desce de São Bento e segue rumo a Jaraguá do Sul encontra, além das cachoeiras e das belezas naturais, uma turma empenhada em desenvolver soluções diferenciadas. Há projetos de sinalizador luminoso para faixas de pedestres onde não há semáforos e aplicativos para pesquisa de preço dos produtos nos supermercados. Essas são algumas das ferramentas que em breve já estarão no mercado.

Seguimos para Blumenau, cidade do Vale do Itajaí. Lá, nove equipes comemoram a aprovação no Nascer, entre elas uma que vai trabalhar na geração de leads (potenciais compradores) para pequenos e médios negócios. Outra está focada em sustentabilidade com a criação de um sistema inteligente para tratamento de resíduos.

Embarcando na viagem pelo Vale, a parada agora é Brusque, destaque em projetos de sustentabilidade no Programa Nascer. As propostas abrangem desde a fabricação de micro turbina para geração de energia e reaproveitamento da água da chuva até ferramenta para incentivo ao mercado regional de orgânicos.

Subindo um pouco mais, até o Alto Vale, Rio do Sul oferece soluções sustentáveis como turbina eólica. Engajado com o mercado pet, também há projeto de uma marca especializada para produtos e serviços para amantes dos gatos.

Avançando no mapa rumo ao Meio-Oeste, chega-se em Joaçaba que tem uma diversidade de projetos. Participam do Programa de Nascer grupos que irão desenvolver desde plataformas para resgate veicular até para busca de plantões e concursos médicos.

O destino agora é Videira que, além da uva e do vinho, está desenvolvendo aplicativos e ferramentas online, como o home market, plataforma de entregas para supermercados. Ou ainda o sistema de consultoria florestal para restauração de áreas degradadas.

Em Caçador, os 10 projetos selecionados têm foco na produção rural e ambiental. Uma das propostas pretende produzir um podador de pinus semi-automatizado, facilitando o trabalho dos produtores.

Ainda na região, vemos as atrações de Chapecó, destaque catarinense do agronegócio. É sobre o setor que os jovens da região estão empenhados em produzir soluções. Das 12 propostas aprovadas, a maior parte pretende facilitar a vida no campo, como uma tecnologia que será desenvolvida para fazer a gestão das propriedades rurais.

De lá partimos para o Sul, mas é preciso fazer uma parada antes na Serra catarinense. Em um passeio pelos projetos de Lages é possível encontrar desde clínica virtual para saúde mental até a produção de cápsulas biodegradáveis de álcool gel. Mas, sem esquecer das paisagens rurais, as equipes ainda estão produzindo uma máquina para ajudar na colheita, na poda e no raleio de frutas.

Descendo pela Serra do Rio do Rastro e passando pelos paraísos de águas termais, a próxima parada é Tubarão. Lá, 11 projetos se preparam para se transformar em negócios viáveis pelo Programa Nascer. Entre eles, está uma futura empresa de aerolevantamento com drones para ajudar nas tomadas de decisão na construção civil.  Outra ferramenta que logo pode estar disponível aos consumidores vai oferecer itens da região e aumentar o consumo dos produtores locais.

Pegando a estrada mais ao Sul, o turista da inovação chega em Criciúma. Na cidade, foram aprovados sete projetos, entre eles um de controle automático de qualidade para peças cerâmicas. O setor é importante na geração de empregos e renda na região.

De volta à BR-101, o jeito é pegar a estrada até Itajaí, cidade que tem o maior polo pesqueiro do país. O município que já se destaca por causa do porto agora avança na inovação e tem projetos importantes para impactar o resto do Estado. Um exemplo é uma plataforma de baixo custo para que o pequeno e médio produtor rural possa gerenciar a propriedade. Também atenta às novas tendências, uma das 12 equipes aprovadas vai trabalhar no desenvolvimento de cultivos de chá e infusões por aquaponia.

Mas é preciso pegar a estrada mais uma vez pelo Litoral para encerrar a jornada da inovação. A última parada é Florianópolis, cidade que colocou o Estado no mapa do Brasil e do mundo no desenvolvimento de negócios inovadores e tecnologia.

Não por acaso, a Capital emplacou 24 projetos no Programa Nascer em diferentes áreas. Mas como o assunto aqui é turismo e inovação, o destaque é para uma plataforma áudio tag que conecta o turista com os guias ou ainda um guarda-sol com reaproveitamento da luz solar.

Após passar pelas 15 cidades que recebem o Programa Nascer, o tour pela inovação em Santa Catarina continua no site da Fapesc. Confira lá os outros projetos aprovados e os editais com inscrições abertas. Acesse www.fapesc.sc.gov.br.

Impacto da primeira edição

A primeira edição do Programa Nascer foi realizada online no primeiro semestre deste ano. Formou-se uma turma de 150 equipes que estão abrindo empresas e disponibilizando seus produtos no mercado.

Segundo a gerente de Inovação da Fapesc, Gabriela Mager, todos estão muito satisfeitos com o resultado. “No próximo mês assistiremos às apresentações dos projetos para avaliação e orientação finais. Esperamos que a cultura do empreendedorismo se fortifique cada vez mais em nosso Estado e, para contribuir neste sentido, Fapesc e Sebrae lançaram este programa de sucesso”, comenta.

Já o professor Luiz Salomão Ribas Gomez, criador da ferramenta TXM usada no Programa Nascer e idealizador dos espaços de pré-incubação Cocreation Lab, destaca que os projetos aprovados oferecem soluções úteis para esse momento de pandemia. “São propostas com ideação bem madura. Além disso, os participantes são muito ecléticos, temos desde jovens de 18 anos até um proponente de 84 anos”, destaca.

Algumas das histórias de empreendedorismo do Programa Nascer podem ser acompanhadas nas redes sociais da Fapesc. Basta seguir a página da fundação no Facebook ou no Instagram.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.