Slider

PRF não viu ‘nada de anormal’ na estrada do trajeto da caravana de Lula, diz relatório

POLÍTICA – Um relatório da Polícia Rodoviária Federal (PRF) aponta que agentes da corporação não perceberam “nada de anormal” no trajeto entre os municípios de Queda do Iguaçu, no oeste do Paraná, e Laranjeiras do Sul, na região central do estado, onde a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi atacada na terça-feira (27).

O relatório, no entanto, não faz menção ao momento descrito por várias testemunhas, em que os ônibus param e os passageiros constatam que o pneu de um deles está furado e que há marcas de tiro na lataria. A TV Globo procurou a PRF para entender por que o relatório não faz menção a esse momento, mas ainda não conseguiu contato.

O documento é uma parte da investigação sobre o caso. A Polícia Civil está fazendo uma varredura no trecho da estrada e ouvindo testemunhas. Peritos do Instituto de Criminalística examinaram o ônibus na noite de terça, e o laudo deve ficar pronto nos próximos dias. Ainda não há suspeitos identificados.

No relatório, a PRF afirma que carros caracterizados e descaracterizados da corporação acompanharam a caravana durante todo o percurso.

“Desde o início das atividades na praça em Quedas do Iguaçu, no ato com o ex-presidente, e no deslocamento até Laranjeiras do Sul, nada de anormal foi visualizado pelos agentes da PFR, tanto os que estavam nas viaturas caracterizadas quanto na viatura descaracterizada”, diz o documento.

Ônibus da caravana de Lula é atingido por tiro no oeste do Paraná (Foto: PT/Divulgação)

Ônibus da caravana de Lula é atingido por tiro no oeste do Paraná (Foto: PT/Divulgação)

Investigações

Lula estava em um terceiro ônibus, o primeiro do comboio. A informação inicial era de que, no momento dos disparos, o ex-presidente estava na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFSS), em Laranjeiras do Sul, mas o PT informou posteriormente que ele estava em um dos veículos. Ninguém ficou ferido.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) também está investigando o caso, com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da 2ª Promotoria de Justiça de Quedas do Iguaçu.

Nesta quarta-feira (28), o procurador Olympio de Sá Sotto Maior Neto, coordenador da área de Direitos Humanos do Ministério Público do Paraná (MP-PR), citou tentativa de homicídio ao comentar os ataques à caravana.

Autoridades fazem varredura em área onde testemunhas citam ataque a caravana de Lula tem varredura

Autoridades fazem varredura em área onde testemunhas citam ataque a caravana de Lula tem varredura

Repercussão

O presidente Michel Temer criticou o ataque, afirmando que foi uma “pena” que tenham ocorrido os disparos. Segundo Temer, o fato cria um clima de “instabilidade”.

Em seu perfil oficial no Twitter, Lula repudiou a sequência de atos violentos.

“A nossa caravana está sendo perseguida por grupos fascistas. Já atiraram ovos, pedras. Hoje deram até um tiro no ônibus”, informou o post.

Ataque a caravana do ex-presidente Lula no Paraná (Foto: Alexandre Mauro/G1)

Ataque a caravana do ex-presidente Lula no Paraná (Foto: Alexandre Mauro/G1)

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.