IMG-20210628-WA0344
UNIMED---50-anos
Banner Indaial
1200 x 100 (3)
PlayPause
previous arrow
next arrow

Naatz defende adoção de protocolo unificado para doentes com Covid-19 em UTIs

Por Comunicação

gulamania
1200 x 100 (2)
PlayPause
previous arrow
next arrow

MATEANDO – Ao desejar boa gestão ao novo ministro da Saúde, o médico cardiologista Antônio Queiroga Lopes , o deputado estadual Ivan  Naatz (PL) defendeu a adoção, pelo Ministério da Saúde, de um protocolo nacional  unificado para uso nas  Unidades de Tratamento Intensivo – UTIs com pacientes vítimas da Covid-19.

“Acredito que esse será um dos grandes desafios do novo ministro assim como a adoção de uma nova política para a aquisição de vacinas “, observou Naatz , acrescentando que no caso do protocolo unificado a justificativa é pelo fato de que os dados médicos atuais demonstrarem que cerca de 50% dos pacientes internados em UTI para tratamento do Covid acabam  indo a óbito. “É preciso alterar os protocolos para serem seguidos por todos os profissionais de medicina”, defendeu.

O deputado também criticou a politização em torno do combate a pandemia e propôs uma união de esforços  da sociedade independente de ideologias e com foco na ciência. “ “Quem está numa UTI não quer saber o nome do presidente, o partido, a ideologia, quer receber o melhor tratamento possível, quer sair dali vivo. Por isso é preciso enfrentar o problema com profissionalismo e investimento em saúde”, resumiu.

DÍVIDAS COM HOSPITAIS

Ivan Naatz questionou ainda o governo do estado para que explique e deixe claro as dúvidas em torno de informações divulgadas pela imprensa de que a dívida com a Associação dos Hospitais Filantrópicos e Santas Casas seria da ordem de R$ 191 milhões , enquanto que a Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde de SC , bem como o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro  apresentam outra versão de que não há pendências. “Essa situação precisa ser esclarecida já que recursos tanto federais como estaduais não tem faltado ao governo catarinense. Ou não está gerenciando bem ou está usando para outras finalidades, o que seria um absurdo neste momento de pandemia ”, questionou.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.