Slider

MPF começa investigar Merísio

POLÍTICA –  O ministério Público Federal vai investigar denúncia de suposto enriquecimento ilícito e ocultação de patrimônio pelo deputado estadual e candidato a governador Gelson Merísio (PSD). O procedimento preliminar foi aberto na semana passada pela procuradoria Federal de Chapecó, após questionamento de um representante da subseção da ordem dos Advogados do Brasil (OAB) daquela cidade, que apontou inconsistências na declaração de bens do candidato à justiça eleitoral e a suposta participação em negócios não declarados. Gelson Merísio diz que tudo não passa de denúncia falsa em época de eleição.

Merísio declarou um patrimônio de R$ 722 mil, sendo R$ 175 mil referentes a dois veículos e outros R$ 547 mil de aplicações financeiras, incluindo participação numa loja de materiais de construção.

Na declaração, o candidato não aparece como administrador da Mang Participações e Agropecuária, empresa criada em 2013, com R$ 5,6 milhões em patrimônio conforme o contrato social, e que tem como sócios a mulher dele, Márcia Eliza Gavazzoni Merísio, e os dois filhos, um rapaz de 19 anos e uma menina de 10. A Mang leva as iniciais da família, Márcia, Arthur e Nicole, além do G, que seria de Gelson.

A empresa tem sede em Xanxerê, onde Merísio cresceu e iniciou a carreira política, exatamente no mesmo endereço do escritório político do candidato. Conforme a denúncia, o capital social da empresa, que chegaria perto de R$ 30 milhões em valores atualizados, seria incompatível com a renda do deputado.

Apesar de não constar como sócio, Merísio deveria ter declarado os bens da empresa à justiça eleitoral, considerando que diversos imóveis que aparecem no contrato social ainda estão em nome dele e da esposa, com quem é casado em comunhão universal de bens. Ou seja, metade dos bens pertence a ele.

A situação aponta pra inconsistência entre o patrimônio da empresa e o que Merísio ganha como deputado. Em 2011, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo colocava o político como um dos presidentes de Assembleia Legislativa que mais engordaram o patrimônio. Na época, o deputado alegou que o dinheiro vinha de negócios na área da construção civil e agropecuária.

A Mang tem participação em três pequenas empresas hidrelétricas, a Bom Retiro Energética, a Águas do Rio Irani Energética e a Foz do Uvá Energética, esta registrada em nome do motorista em cargo comissionado de Merísio.

A investigação ficará por conta do procurador Carlos Humberto Prola Junior, que ainda apurará supostos crimes de lavagem de dinheiro e fraude fiscal no caso. Uma cópia da denúncia foi encaminhada à procuradoria Regional Eleitoral.

Merísio diz que denúncia é fake news

Em nota, Merísio diz que a denúncia se trata de “fake news”. O candidato também diz lamentar que, na reta final da campanha, apareçam “histórias mentirosas” pra prejudicar ele e sua família.

No comunicado, o candidato explica que, em 2014, num processo de sucessão patrimonial pra seus filhos e esposa, passou o patrimônio da família, que incluía a herança do pai, para uma empresa de administração patrimonial, que seria a Mang.

“É preciso ficar claro que não existe ocultação de patrimônio, uma vez que tudo está exposto nas declarações do candidato e na da esposa e que o patrimônio é absolutamente compatível com a renda e o histórico familiar”, destaca a nota.

Merísio admite que a Mang adquiriu participação em pequenas usinas hidrelétricas, mas como investimento futuro, em empreendimentos que ainda não saíram do papel. “E não há absolutamente nada de errado nisso”, diz.

A nota termina dizendo que o candidato jamais se utilizou da estrutura pública para enriquecimento ilícito e que, nas três oportunidades em que foi presidente da Alesc, não houve conflitos de interesse ou legislação em causa própria. “Entendo que toda investigação sobre quem decide entrar na vida pública é necessária e fundamental. Mas isso precisa ser feito com verdade e respeito”, completa.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.