banner dengue indaial
Banner Rodeio
PlayPause
previous arrow
next arrow

Mais de 4 mil pacientes receberam a visita dos Trapamédicos em 2017

banner camara timbo maio
banner camara blumenau maio
banner chutze
banner_olia
banner Gula Mania
PlayPause
previous arrow
next arrow

GERAL – Eles chegam pedindo licença e sempre que autorizados a entrar em um leito de hospital, vão metendo o nariz na rotina do paciente, deixando o clima mais leve. Há 11 anos, os besteirologistas que fazem parte dosTrapamédicos atuam em Blumenau (SC). E em 2017 foram mais de 4 mil pacientes visitados pelo corpo clínico colorido e despojado, formado por 55 voluntários.
No balanço destes últimos 12 meses, quatro instituições da cidade receberam a equipe: os hospitais Santa Catarina, Santo Antônio e Santa Isabel, além da Renal Vida. “As vistas ocorrem sempre em duplas e só são realizadas se o paciente ou seu acompanhante permitirem nossa entrada. Somos pautados pelo respeito ao momento de cada pessoa que nos recebe e nosso objetivo é transformar este período, muitas vezes de sofrimento e incerteza, deixando-o mais leve, mais fácil de encarar”, explica a presidente e fundadora dos Trapamédicos, Adriana Costa.

Mais de 4 mil pacientes foram visitados pelos Trapamédicos em 2017

Desde 2013 o grupo também conta com o TrapaPet, projeto que realiza intervenções assistidas por cães. Os animais, que passam por treinamento específico para este fim, levam carinho e atenção para dois locais: o Asilo São Simeão e a Ala Psiquiátrica do Hospital Santa Catarina. Em 2017 foram 180 pacientes impactados pelos focinhos da ONG.

Investimentos em capacitação
Quando destacam que “o engraçado disso é que este trabalho é sério”, os Trapamédicos não estão falando por acaso. Este ano foi de muita dedicação e investimento na formação do grupo. Foram 20 novos voluntários ingressando na ONG, que passaram por um processo de recrutamento e seleção. Escolhidos entre os mais de 140 interessados, eles formam os Trapas Café Com Leite, trainees que desde julho realizam as visitas com o apoio de padrinhos, voluntários já experientes. São seis meses de avaliação e treinamento e em janeiro ocorre a formatura e efetivação do grupo.

Workshops de maquiagem, formação e desenvolvimento também estiveram na agenda, bem como uma gincana e dez eventos extras. “Com esta preparação, em 2018 poderemos ampliar nosso número de visitas e garantir ainda mais narizes vermelhos com o propósito de servir, perceber, se envolver e dedicar um tempo ao outro”, destaca Adriana.

você pode gostar também
banner dengue indaial
banner chutze
PlayPause
previous arrow
next arrow
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

..