UNIMED---50-anos
Banner Indaial
Banner Rodeio Saúde
Banner Educação Rodeio
PlayPause
previous arrow
next arrow

Grupo que furtou mais de 180 celulares em Florianópolis é preso preventivamente

gulamania
Banner Rodeio Saúde
PlayPause
previous arrow
next arrow

SEGURANÇA – O Ministério Publico requereu a conversão da prisão em flagrante dos oito envolvidos para prisão preventiva na audiência de custódia, a fim de garantir a aplicação da lei penal.Assim, Rosely de Cerqueira Conceição, Janaina Gomes da Silva Yascara Araujo da Silva, Janielly Pereira de Brito, Alexandre Sousa da Silva, Tiago Mesquita Bahia, Maycon dos Santos e Camila Lima Pereira, indiciados por furto qualificado, permanecerão presos, agora preventivamente.

Por requerimento do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), foi decretada a prisão preventiva de oito integrantes de suposta associação criminosa de fora do Estado que se deslocaram até a Capital catarinense com o objetivo de furtar telefones celulares no “Folianópolis”, evento musical realizado no feriado prolongado. O grupo, formado por três homens e cinco mulheres, foi preso com 185 aparelhos furtados.

O pedido da conversão em prisão preventiva foi requerido pelo Promotor de Justiça Thiago Carriço Oliveira, em audiência de custódia realizada neste domingo (5/11) na Comarca da Capital, em regime de plantão, e deferido pelo Poder Judiciário. Com a prisão preventiva, os suspeitos permanecerão presos durante o processo penal, salvo decisão judicial em contrário.

Ao requerer a prisão preventiva, o Promotor de Justiça considerou a necessidade de garantia da ordem pública, a prática reiterada dos crimes imputados e a garantia de aplicação da lei penal, uma vez que os integrantes da associação criminosa são de outros Estados, principalmente do Nordeste brasileiro.

Carriço Oliveira ressalta, ainda a gravidade do crime praticado. “Os telefones celulares guardam a vida das pessoas. Ali estão registrados compromissos importantes, fotos de família e até laudos médicos, enfim os registros de sua vida particular e profissional”, conclui.

 A decisão é passível de recurso. (Ação n. 0025629-68.2017.8.24.0023)

 

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.