Expectativa continua sobre denúncia de Caixa 2 contra Colombo

POLÍTICA – Os meios políticos do Estado vivem um fim de semana nervoso e de grande expectativa pelas informações de que o governador licenciado Raimundo Colombo e o tesoureiro de sua campanha, José Carlos Oneda, foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República. Como o processo tramita em segredo de Justiça, nem o advogado Beto Vasconcelos tinha dados oficiais sobre o que estava acontecendo.

Amplia-se, assim, o interesse do governador e de seus aliados e correligionários sobre o conteúdo da denúncia da Procuradoria.

Consultada oficialmente sobre o resultado do inquérito, a Secretaria de Imprensa da Procuradoria da República confirmou que o governador tinha sido denunciado, a partir do inquérito 1159.

O processo tem como relator no Superior Tribunal de Justiça o ministro Luiz Felipe Salomão.

Raimundo Colombo ligou-me no início da noite desta sexta (02), quando viajava de Lages para a Capital. Há 14 meses que ele não me falava ao telefone. Desde as delações do grupo Odebrecht negou-se a atender o celular. Depois de dezenas de tentativas, sempre para tratar de assuntos de interesse jornalístico e da população de Santa Catarina, desisti, respeitando sua decisão de silenciar. Só falávamos em entrevistas ou solenidades oficiais.

Declarou-se aliviado com as decisões de Brasília. As denúncias de prática de corrupção e recebimento de suposta propina foram arquivadas. Sua defesa concentrou-se em 98% nas provas de que nenhum ilícito havia sido cometido.

Assumindo a existência de Caixa 2 na campanha, o governador licenciado disse: “Quero esclarecer tudo. Não pedi recurso de caixa 2 para ninguém. O arquivamento do inquérito sobre corrupção mostra que minha vida é limpa. A questão do Caixa 2 não tem nenhum problema para mim. Eu assumo o Caixa 2. Vou explicar tudo direitinho. Além disso, não é uma questão criminal. É eleitoral.”

Do ponto de vista pessoal e criminal, Colombo livra-se de um pesadelo. Politicamente, terá desgaste, cuja dimensão vai depender do STJ.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.