A notícia além do olhar técnico!

Dono de loja é condenado por fazer propostas indecentes para funcionária de 14 anos

O abalo foi tão grande que, de acordo com os autos, a adolescente tentou suicídio - hoje ela está bem

SANTA CATARINA – Foi  mantida a condenação de um homem por assediar sexualmente uma adolescente no ambiente de trabalho. A vítima, de 14 anos, era funcionária do réu. O caso aconteceu no Vale do Itajaí em 2012, a decisão foi da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Conforme o Artigo 216-A, do Código Penal, configura crime de assédio sexual “constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função”.

A pena de detenção varia de um a dois anos, majorada em até um terço se a vítima for menor de 18 anos. Depois de ser condenado a um ano e dois meses, em regime aberto, o réu recorreu ao TJ. Disse que foi injustiçado, alegou insuficiência probatória e a existência de provas conflitantes nos autos.

Porém, conforme o relator da apelação, desembargador Antônio Zoldan da Veiga, “em que pese o esforço da defesa de argumentar em sentido contrário, o relato da vítima retrata que o apelante utilizou de sua superioridade hierárquica para, no local de trabalho, violar a dignidade sexual da funcionária, uma adolescente, mediante palavras desrespeitosas, ameaças e propostas indecentes e de cunho sexual, causando à ofendida grande abalo emocional”.

O abalo foi tão grande que, de acordo com os autos, a adolescente tentou suicídio – hoje ela está bem. Com isso, Zoldan da Veiga votou pela manutenção da sentença e foi seguido de forma unânime pelos colegas. O caso, julgado no dia 8 de agosto, tramitou em segredo de justiça.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.