A notícia além do olhar técnico!

Com dois últimos depoimentos, CPI da Ponte encerra fase de instrução

O presidente da CPI, deputado Marcos Vieira (PSDB), avaliou como positivo o balanço dos trabalhos até aqui e que a Assembleia Legislativa vem cumprindo seu papel

POLÍTICA – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa que apura possíveis irregularidades nas obras de restauração da ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, encerrou nesta quarta-feira (30) a fase de instrução. Os membros da CPI ouviram os depoimentos do deputado Valdir Cobalchini (MDB), ex-secretário de Estado da Infraestrutura, e de Romualdo França, ex-presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra).

O depoimento de Cobalchini – que comandou a secretaria de janeiro de 2011 a abril de 2013, durante parte do governo Raimundo Colombo – não estava previsto, mas ele pediu para ser ouvido pela comissão. “Ele quis vir para ajudar, trazer mais esclarecimentos, porque a comissão precisava entender essa cadeia de comando, de onde partiam as decisões e qual era a influência de cada órgão”, explicou o relator da CPI, deputado Bruno Souza (sem partido). “Ele trouxe muita luz em relação a esse aspecto”, completou o parlamentar.

Responsabilidade do Deinfra
Cobalchini seguiu a mesma linha de depoimentos anteriores de membros do Executivo, como o ex-governador Colombo, e destacou que a responsabilidade pela condução técnica e financeira do contrato entre o governo do Estado e o consórcio Florianópolis Monumento era do Deinfra. Por isso, disse não ter influência alguma sobre a decisão de assinar um termo aditivo ao contrato em 2012 – que prorrogou o prazo de conclusão da obra para o fim de dezembro de 2014. “Eu não tinha ingerência sobre a parte técnica, que era responsabilidade do órgão executor, no caso, o Deinfra”, afirmou.

O ex-secretário também garantiu não ter competência legal para decidir pela rescisão do contrato, que ocorreu em 2014. Questionado pelo relator a respeito de eventual demora para a tomada dessa decisão – uma vez que a execução da obra estava muito lenta e que surgiam cada vez mais indícios de que o consórcio não teria condições de concluir a obra – Cobalchini garantiu que o tempo foi importante para “constituir elementos probatórios” que protegessem o Estado. “O tempo foi o que a lei determina”, disse.

Segundo o deputado, no início de sua gestão a restauração contava apenas com recursos próprios do Estado, e que por isso buscou alternativas, como a captação de verbas via Lei Rouanet de incentivo à cultura. A falta de dinheiro para tocar a obra já tinha sido explicitada pelo ex-governador Colombo em seu depoimento, quando afirmou que os trabalhos só foram acelerados a partir da chegada de recursos obtidos no programa Pacto por Santa Catarina.

Falta de dinheiro
O engenheiro Romualdo França, presidente do Deinfra de 2003 a 2011, comandava a autarquia quando foi aberta a licitação que resultou, em novembro de 2008, na contratação do consórcio Florianópolis Monumento – formado pelas empresas CSA e Espaço Aberto. Na ocasião, disse França, só havia recursos orçamentários, ou seja, o dinheiro estava previsto no orçamento do Deinfra, mas não havia a garantia de que a verba seria liberada. No entanto, fez questão de frisar que a restauração não sofreu atrasos durante sua gestão. “Apesar das dificuldades, a obra estava sendo executada.”

Ele disse que a lentidão dos trabalhos se devia à falta de recursos. “O atraso maior era por dinheiro, por isso não teve multa para o consórcio.”

Pressionado pelo relator em questões formais como a falta de CNPJ do consórcio no momento da assinatura – condição vedada pela Lei 8.666/93 – França disse que esse aspecto deveria ter sido notado pela Diretoria Jurídica e pela Comissão de Licitação do Deinfra. “Se eu soubesse, não assinaria. Não tem como, pelo volume de tarefas, o presidente verificar minúcias”, explicou. “O presidente tem a função da relação institucional com as outras áreas do governo.”

Para o relator, a participação de França foi importante. “Trouxemos o presidente do Deinfra em 2009 e 2010, período em que as obras começaram a ficar mais complicadas, levando a mais questionamentos”, destacou Souza. “Então podemos tirar algumas conclusões, algumas informações que serão importantes na próxima etapa, a etapa final, que é a confecção do relatório.”

Balanço positivo
O presidente da CPI, deputado Marcos Vieira (PSDB), avaliou como positivo o balanço dos trabalhos até aqui e que a Assembleia Legislativa vem cumprindo seu papel. “Foram dezenas de depoimentos, milhares de documentos. Não tenho dúvida de que a sociedade catarinense vai saber, ao longo desse tempo, quais as reais condições em que a ponte esteve sob risco de cair ou não e sobre toda sua recuperação”, afirmou Vieira.

O deputado Bruno Souza tem agora 30 dias para elaborar seu relatório. A apresentação do documento à CPI está prevista para 2 de dezembro. “Vamos trazer um bom mapa de como tudo aconteceu nestas quase quatro décadas agora, a participação de cada um, em cada etapa, cada governo. Isso nós vamos mostrar de uma forma que não havia sido feito nunca antes”, disse Souza.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.