A notícia além do olhar técnico!

Assassinos de médico são condenados em Timbó

A competência para o processo e julgamento de latrocínio, crime patrimonial, é do juiz singular e não do tribunal do júri

TIMBÓ – Os cinco criminosos envolvidos no assassinato do médico Cleonildo Aldeman de Oliveira de 64 anos, morto em junho do ano passado em Timbó foram condenados pelo juiz da Vara Criminal, Ubaldo Ricardo da Silva Neto.

médico Cleonildo Aldeman de Oliveira de 64 anos, morto em junho do ano

Como a competência para o processo e julgamento de latrocínio, crime patrimonial, é do juiz singular e não do tribunal do júri, a sentença foi proferida nesta quinta-feira (09) na Comarca de Timbó.

Adriana Muniz de 25 anos, que atraiu a vítima para a morte em sua casa no bairro Padre Martinho Stein foi condenada a 31 anos de prisão.

Vinícius Coelho dos Santos de 23 anos teve condenação de 31 anos de prisão, Marcelo Cristiano Bento de 21 anos teve pena condenatória de 26 de detenção, Tallys Augusto da Silva Herba de 21 anos teve pena fixada em 25 anos de prisão e Luiz Felipe Coutinho de 22 anos foi condenado há 20 anos prisão.

O bando assassinou Cleonildo Aldeman de Oliveira na casa de Adriana, depois colocaram o cadáver na Land Rover da vítima, o carro foi abandonado próximo ao Complexo Esportivo de Timbó, antes eles queimaram o cadáver e fizeram a desova na área do Morro Azul, o corpo foi encontrado no dia 18 de junho.

A condução do inquérito policial foi do Delegado Raphael Werling de Oliveira.

Decisão do juiz de Direito, Ubaldo Ricardo da Silva Neto, titula da Vara Criminal da Comarca de Timbó:

– Adriana Muniz condenada ao cumprimento da pena privativa de liberdade de 31 anos de reclusão, no regime inicialmente fechado, em razão da prática dos crimes previstos no artigo 157, § 3º, incisos II, c/c o artigo 61, inc. II, “c” e “h”, e no artigo 211, na forma do artigo 69, todos do Código Penal; (Pela prática do crime de latrocínio, com uso de recurso que dificultou a defesa do ofendido e de ter sido o crime praticado contra pessoa maior de 60 anos, e o crime de ocultação de cadáver)

– Marcelo Cristiano Bento condenado ao cumprimento da pena privativa de liberdade de 26 (vinte e seis) anos de reclusão, no regime inicialmente fechado, em razão da prática dos crimes previstos no artigo 157, § 3º, incisos II, c/c o artigo 61, inc. II, “c” e “h”, e no artigo 211, na forma do artigo 69, todos do Código Penal; (Pela prática do crime de latrocínio, com uso de recurso que dificultou a defesa do ofendido e de ter sido o crime praticado contra pessoa maior de 60 anos, e o crime de ocultação de cadáver)

– Vinicius Coelho dos Santos condenado ao cumprimento da pena privativa de liberdade de 31 anos de reclusão, no regime inicialmente fechado, em razão da prática dos crimes previstos no artigo 157, § 3º, incisos II, c/c o artigo 61, inc. II, “c” e “h”, e no artigo 211, na forma do artigo 69, todos do Código Penal; (Pela prática do crime de latrocínio, com uso de recurso que dificultou a defesa do ofendido e de ter sido o crime praticado contra pessoa maior de 60 anos, e o crime de ocultação de cadáver)

– Luiz Felipe Reded Coutinho condenado ao cumprimento da pena privativa de liberdade de 20 (vinte) anos de reclusão, no regime inicialmente fechado, em razão da prática do crime previsto no artigo 157, § 3º, incisos II, c/c o artigo 61, inc. II, “c” e “h”, ambos do Código Penal; (Pela prática do crime de latrocínio, com uso de recurso que dificultou a defesa do ofendido e de ter sido o crime praticado contra pessoa maior de 60 anos)

– Tallys Augusto da Silva Herba condenado ao cumprimento da pena privativa de liberdade de 25 (vinte e cinco) de reclusão e 3 (três) meses de detenção, no regime inicialmente fechado, em razão da prática dos crimes previstos no artigo 157, § 3º, incisos II, c/c o artigo 61, inc. II, “c” e “h”, e no artigo 307, na forma do artigo 69, todos do Código Penal. (Pela prática do crime de latrocínio, com uso de recurso que dificultou a defesa do ofendido e de ter sido o crime praticado contra pessoa maior de 60 anos)

Vítima: Cleonildo Aldeman de Oliveira, 64 anos

 

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.