UNIMED---50-anos
Banner Indaial
Banner Rodeio Saúde
Bella Cittá Rodeio
PlayPause
previous arrow
next arrow

Apiúna recebeu oficina do programa Terra Solidária Articulando Territórios

Por Judson Lima

gulamania
Banner Rodeio Saúde
PlayPause
previous arrow
next arrow

APIÚNA – Aconteceu no Ribeirão Basílio no bairro São Roque em Apiúna uma oficina realizada na propriedade do Gelásio e Sandra Ferrari , a programação faz parte do programa Terra Solidária Articulando Territórios, da Federação dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Estado de Santa Catarina (FETRAF-SC). Em Apiúna a oficina foi organizada pela Sandra Ferrari, coordenadora do Sintraf, que é o Sindicato da Agricultura Familiar do município. A atividade ocorreu nesta terça-feira, dia 28 de setembro, no período da tarde.

         Foto:Reprodução

O objetivo do programa é de envolver toda a Agricultura Familiar de Santa Catarina num amplo debate sobre cadeias produtivas sustentáveis, com atividades práticas, a exemplo da realizada em Apiúna, onde as pessoas que estavam presentes tiveram uma demonstração de análise de solo, com Carlos Censi e outra atividade de prepara do composto orgânico bokashi, que é um adubo natural reativador do solo, que ajuda no processo de recuperação do solo e aumenta a produção de alimentos livres de agroquímicos. Esta atividade de preparo do bokashi foi coordenada pelo articulador do projeto na Micro Vale, que abrange o Alto e Médio Vale do Itajaí, Aurio Gislon, de Rio do Sul.

                Foto:Reprodução

A oficina contou com a participação e a parceria da Epagri de Apiúna.

O projeto Terra Solidária Articulando Territórios iniciou em julho deste ano e segue até março do ano que vem. Na Micro Vale envolve os sindicatos da Agricultura Familiar de Alfredo Wagner, Pouso Redondo, Santa Terezinha, Rio do Campo e o Sintraf Regional de Presidente Getúlio, ao qual o Sintraf de Apiúna faz parte.

                          Foto:Reprodução

O principal objetivo do projeto é de fortalecer a Agricultura Familiar, num processo de transição do modelo de produção convencional para um modelo sustentável, orgânico, para produzir alimentos de qualidade, diversificados e com redução do uso de agrotóxicos. Esse processo passa pela organização de cadeias produtivas, com assistência técnica e articulação com as pessoas que vivem na cidade, visando o consumo consciente e a melhoria da qualidade de vida de todos e o cuidado com o meio ambiente.

               Foto:Reprodução

É a sociedade civil se organizando, compartilhando conhecimento, buscando políticas públicas e construindo coletivamente uma vida melhor para todas as pessoas, em harmonia com a natureza.

Após esse projeto a FETRAF-SC vai trabalhar com um projeto de assistência técnica, com 25 técnicos agrícolas, para dar assistência às famílias que vão fazer a transição do modelo de produção e organizar efetivamente as cadeias produtivas por meio de cooperação regional e de intercooperação de cada região de Santa Catarina.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.