banner blumenau julho
banner rodeio juh
PlayPause
previous arrow
next arrow

SC vai recorrer de sentença que extinguiu ação contra aumento do gás natural aplicado pela Petrobras

Por Judson Lima

BANNER CAMARA DE TIMBO JULHO
banner chutze
banner Gula Mania
PlayPause
previous arrow
next arrow

SANTA CATARINA – A Procuradoria-Geral do Estado (PGE/SC) vai recorrer da decisão do juiz Laudenir Fernando Petroncini, da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Florianópolis, que extinguiu a Ação Civil Pública Cível movida pelo Estado para evitar reajuste no preço do gás natural comercializado em Santa Catarina. A decisão foi publicada no início da noite desta sexta-feira, 29, no âmbito do processo ajuizado pela Procuradoria após determinação do governador Carlos Moisés da Silva.

O órgão central de serviços jurídicos do Estado já havia obtido manifestação favorável no final de 2021, e pleiteava que a decisão do juiz Rudson Marcos da época fosse prorrogada até dezembro de 2022 ou, ao menos, a conclusão das obras do Terminal de Regaseificação de São Francisco do Sul, que estão 60% concluídas. Isso evitaria um aumento médio de 40% sobre o preço do gás natural comercializado em Santa Catarina.

Os procuradores do Estado alegam que o repasse vai impactar o fornecimento de gás feito a milhares de residências e estabelecimentos comerciais e industriais, assim como o abastecimento de boa parte da frota de veículos, especialmente aqueles utilizados para o transporte de passageiros – táxis e aplicativos.

“Boa parte da indústria de grande porte será prejudicada, em especial o polo cerâmico catarinense, no qual o custo do gás representa cerca de 20% de todas as despesas operacionais. Trata-se de um impacto gigantesco e irreversível na economia estadual, especialmente no orçamento das famílias, já corroído pela inflação e pela crise econômica provocada pela pandemia de Covid-19”, afirma a PGE/SC nos autos.

O gás natural sofreu reajustes por parte da Petrobras, que foram repassados pela SCGás, da ordem de 30% em janeiro e 40% em julho de 2021.

“Vamos continuar defendendo os consumidores catarinenses de gás e atuando contra uma política de preços arbitrária praticada pela Petrobras. Não concordamos com a decisão da Justiça proferida nesta sexta-feira, e por isso recorreremos para defender a economia de Santa Catarina – diz o procurador-geral do Estado, Alisson de Bom de Souza.

O aumento nos valores do gás natural comercializado pela Petrobras também foi alvo de ações judiciais protocoladas por outras unidades federativas, como Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Sergipe, que obtiveram liminares favoráveis à suspensão do reajuste.

Atuam no processo, além do procurador-geral do Estado e do procurador-geral adjunto para Assuntos Jurídicos, Sérgio Laguna Pereira, os procuradores do Estado Daniel Cardoso e Gabriel Pedroza Bezerra Ribeiro.

Processo número 5110261-97.2021.8.24.0023.

você pode gostar também
banner ascurra
banner chutze
PlayPause
previous arrow
next arrow
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.