banner blumenau julho
banner rodeio juh
PlayPause
previous arrow
next arrow

Santa Catarina registra mais de 1,1 mil focos do Aedes aegypti em 75 cidades

BANNER CAMARA DE TIMBO JULHO
banner chutze
banner Gula Mania
PlayPause
previous arrow
next arrow

GERAL – O número de focos de Aedes aegypti aumentou em Santa Catarina segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC (Dive/SC). Entre 31 de dezembro e 20 de janeiro de 2018, foram registrados 1.101 focos do mosquito em 75 municípios catarinenses. O resultado representa um aumento de 75,3% em relação ao mesmo período em 2017, quando eram 628 focos em 70 cidades. O boletim com os dados foi divulgado na sexta-feira (26).

Ainda segundo o levantamento da Dive/SC, são 63 municípios considerados infestados, o que representa um incremento de 21% em relação ao mesmo período do ano anterior, que registrou 52 municípios nesta condição. A definição de infestação é realizada de acordo com a disseminação e manutenção dos focos.

Municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina (Foto: Dive/SES/SC/ Divulgação)Municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina (Foto: Dive/SES/SC/ Divulgação)

Municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina (Foto: Dive/SES/SC/ Divulgação)

Dengue, chikungunya e zika

Em relação às doenças transmitidas pelo mosquito, foram notificados 80 casos de dengue.Desses, 28 foram descartados por apresentarem resultado negativo. Os outros casos suspeitos estão em investigação pelos municípios e até o momento não foram registrados casos confirmados no estado.

Mapa dos municípios segundo situação entomológica (Foto: Dive/SES/SC/ Divulgação)Mapa dos municípios segundo situação entomológica (Foto: Dive/SES/SC/ Divulgação)

Mapa dos municípios segundo situação entomológica (Foto: Dive/SES/SC/ Divulgação)

O número de casos de febre de chikungunya registrados no relatório chegou a 12, sendo que um deles foi descartado e os outros permanecem como suspeitos. No mesmo período analisado, foram três casos suspeitos de febre do zika vírus.

Entre as ações de prevenção, o órgão informou que em janeiro foram realizadas ações intersetoriais para o controle dos focos, para discutir o cenário entomológico do estado e planejamento que serão realizadas ao longo do ano como visitas bimestrais aos imóveis das áreas infestadas, período de realização do Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) e o fortalecimento da atuação.

Como evitar a proliferação do mosquito

No verão o cuidado com o mosquito aedes aegypti precisa ser ainda maior, pois ele se reproduz mais rapidamente. É preciso evitar água parada. Veja as dicas:

Coloque areia no prato das plantas ou troque a água uma vez por semana. Mas não basta esvaziar o recipiente. É preciso esfregá-lo, para retirar os ovos do mosquito depositados na superfície da parede interna, pouco acima do nível da água. O mesmo vale para qualquer recipiente com água.

  • Pneus velhos devem ser furados e guardados com cobertura ou recolhidos pela limpeza pública.
  • Garrafas pet e outros recipientes vazios também devem ser entregues à limpeza pública.
  • Vasos e baldes vazios devem ser colocados de boca para baixo.
  • Limpe diariamente as cubas de bebedouros de água mineral e de água comum.
  • Seque as áreas que acumulem águas de chuva.
  • Tampe as caixas d’água.
você pode gostar também
banner ascurra
banner chutze
PlayPause
previous arrow
next arrow
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.