banner blumenau julho
banner rodeio juh
PlayPause
previous arrow
next arrow

Autorizado pelo Ibama alargamento e aprofundamento do canal de acesso ao Porto de São Francisco do Sul

Por Judson Lima

BANNER CAMARA DE TIMBO JULHO
banner chutze
banner Gula Mania
PlayPause
previous arrow
next arrow

SANTA CATARINA – A profundidade do canal externo da Baía da Babitonga, no acesso ao Complexo Portuário de São Francisco do Sul, passará dos atuais 14 metros para 16 metros. A obra permitirá a navegação de embarcações com até 366 metros de comprimento, que possuem calados de 14,8 metros. Atualmente, o Porto recebe navios com até 310 metros de comprimento.

O empreendimento foi autorizado, esta semana, pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), após o órgão analisar projeto, encaminhado em 2015, com o levantamento dos impactos ambientais, realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias e pelo Porto de São Francisco do Sul.

As obras estão planejadas para começar ainda neste ano: a primeira etapa é a suavização da curva do canal externo, com seu alargamento, o que irá facilitar a entrada e saída dos navios que hoje operam no Complexo, e outros de maiores dimensões, além de melhorar a segurança da navegação
A segunda etapa da obra será o alargamento do canal de acesso externo e do realinhamento do seu trecho inicial, executando o aprofundamento para 16 metros.

Para a realização destas etapas, deverá ser contratada uma empresa especializada que fará um levantamento batimétrico, o que determinará as dimensões exatas do novo leito desse trecho dos acessos aquaviários e também quanto sedimento será extraído.

Engordamento de praia

Estima-se que serão removidos cerca de 15 milhões de metros cúbicos de material. Parte desses sedimentos deve ser utilizado para o engordamento da faixa de areia da orla do Município de Itapoá que, nos últimos anos, tem sofrido com erosão marítima.

O acordo para o uso benéfico do sedimento dragado foi assinado em dezembro de 2021 entre o Porto de São Francisco e a prefeitura do Norte catarinense e conta com o aval do Ibama, pois Itapoá tem licenciamento ambiental para receber o material removido.

“Será a primeira vez no Brasil que os sedimentos de uma dragagem portuária terão como destino o alargamento de uma praia”, salienta o presidente do Porto de São Francisco, Cleverton Vieira. “Ao invés de dispensar a areia num bota-fora marinho,vamos aproveitar este material de ótima qualidade em benefício das praias de Itapoá, o que favorecerá o turismo da região”, complementa Vieira.

você pode gostar também
banner ascurra
banner chutze
PlayPause
previous arrow
next arrow
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.